28/12/2010

Inventário Marítimo


Os vermes, os gatos, os carros, os prédios, a espera, os pátios,
os jogos, as lutas, os brutos, as pátrias, as sombras, os vultos,
os estranhos, os mártires, os dias, as horas, as praças,
os copos, os olhos, a íris, os beijos, a casa, a noite e os cacos,
poemas e factos, os fados sem tema, o tempo quebrado, a dor, o dilema:
no fundo do mar.

Lisboa, Lisboa, Lisboa: Lisboa no fundo do mar.

Um dia, quem sabe, se homens, se aves, alguém virá para te encontrar de ruas abertas, desertas, cobertas por sombras azuis e corais, num silêncio terno,
eterno, imenso, de fachadas desiguais, de náufragos dias, saudades de pedra.
Quem te vir assim, esquecida no mar, irá procurar-te a vida.
E se então sonhar um tempo de amor, talvez pense em nós: querida.

Quinteto Tati

2 comentários:

Geraldo Brito (Dado) disse...

Saudações e parabéns pelo blog!

Claire disse...

You have an informative blog. I’ve learned something from it. I do have mine too www.claire-fernandez.blogspot.com... Thanks