27/12/2010

Invenção do Amor

Nas tuas mãos repousa a minha vida
Falta-me um gesto teu para acordar
Pássaro triste, asa enfraquecida
Sem o teu corpo, o céu para voar
Nas tuas mão deixei a minha vida
Parar

Se tu soubesses tudo o que eu invento
Se adivinhasses quando eu te chamo
Amiga, noiva, nardo, irmã, lamento
Rosa de ausência que desfolho e amo
Se tu soubesses como o tempo é lento
Esperando

Tu voltarias como o sol na Primavera
Trazendo molhos de palavras como cravos
Trazendo o grito de uma força que se espera
E cheira a ceiva, medronhos bravos

Tu voltarias como a chuva no Outono
Trazendo molhos de palavras como nuvens
Trazendo a calma que abre as portas para o sonho
Trazendo o corpo sabendo a uvas, tu voltarias
Cantando

Das minhas mãos renasce a nossa vida
E sei que posso falar-te a toda a hora
Basta cantar-te para possuir-te
És o sítio onde o canto se demora
Estou a inventar-te e a destruir-te
Agora
Agora

Ary dos Santos

(Obrigada Joaninha)

Sem comentários: