19/08/2006

Fogo e Noite


Aconteceu...
Por me teres feito cego
Recordo o sabor da tua pele
E o calor de uma tela
Que pintámos sem pensar.

Ninguém perdeu,
E enquanto o ar foi cego
Despidos de passados
Talvez de lados errados
Conseguiste-me encontrar.

Foi dança
Foram corpos de aço
Entre trastes de guitarras
Que esqueceram amarras
E se amaram sem mostrar.

Foi fogo
Que nos encontrou sozinhos
Queimou a noite em volta
Presos entre chama à solta
Presos feitos para soltar...

Estava escrito
E o mundo só quis virar
A página que um dia se fez pesada

E o suor
Que escorria no ar
No calor dos teus lábios
Inocentes mas sábios...
No segredo do luar.

Não vai acabar
Vamos ser sempre paixão
Vamos ter sempre o olhar
onde não há ninguém
Dei-te mais...! valeu a pena voar...

Estava escrito
E a noite veio acordar
A guerra de sentidos travada num céu
Nem por um segundo largo a mão
Da perfeição do teu desenho
E do teu gesto no meu...
Foi como um sopro estranho......e aconteceu...

És fogo em mim,
És noite em mim.
És fogo em mim.

Toranja

2 comentários:

Anónimo disse...

"Fogo e Noite" será sempre para mim a música da minha martinha (e da sua paixão em tudo o que faz)A minha martinha...que está sempre lá quando é preciso...para chorar, para rir, para pensar, para dançar, para gritar, para adormecer...Obrigada por todos os momentos genuínos e inesquecíveis que passámos juntas...Adoro-te muito (e tu sabes que esta não é para mim uma expressão que se costuma escrever no final dos "comments"...um pouquinho mais que isso)...Mil beijinhos nesses olhinhos**

Margarida

a.lenda.de.despereaux disse...

se tu soubesses o quanto és fogo em mim.