19/01/2009

Coquette



Guy Lombardo and His Royal Canadians

2 comentários:

a.lenda.de.despereaux disse...

Com que lábios te beijei
Lábios de amor
Lábios de actriz

Com que lábios eu te quis
Com que chorei e ris
Com que lábios me pintei
Com que lábios fui feliz

E depois nem perguntei
Com que paixão
Deixei levar
Entreguei o coração
Ao turbilhão do mar

Nas lágrimas que derramei de mim para mim
Em espectáculo me dei
Mirei no teu espelho e vi o espelho de ninguém
Mas na lábia pequena em que me descobri
Da boca de cena nasci

Pra grande lábia de viver o gozo de existir
E com você saber enfim que sim
Fingir, fingir, fingir
E atingir o ser da actriz.


Maria Bethânia


Por fim, o último comentário.
Já chega...já chega.
Acabou-se esta ilusão.

Sê feliz o mais que possas, por favor.*

Sempre para sempre é de ti.

MeiaLua disse...

Para a actriz, a minha favorita. Mulher que voa.

Na carreira
Edu Lobo - Chico Buarque
1982

Pintar, vestir
Virar uma aguardente
Para a próxima função
Rezar, cuspir
Surgir repentinamente
Na frente do telão
Mais um dia, mais uma cidade
Pra se apaixonar
Querer casar
Pedir a mão

Saltar, sair
Partir pé ante pé
Antes do povo despertar
Pular, zunir
Como um furtivo amante
Antes do dia clarear
Apagar as pistas de que um dia
Ali já foi feliz
Criar raiz
E se arrancar

Hora de ir embora
Quando o corpo quer ficar
Toda alma de artista quer partir
Arte de deixar algum lugar
Quando não se tem pra onde ir

Chegar, sorrir
Mentir feito um mascate
Quando desce na estação
Parar, ouvir
Sentir que tatibitati
Que bate o coração
Mais um dia, mais uma cidade
Para enlouquecer
O bem-querer
O turbilhão

Bocas, quantas bocas
A cidade vai abrir
Pruma alma de artista se entregar
Palmas pro artista confundir
Pernas pro artista tropeçar

Voar, fugir
Como o rei dos ciganos
Quando junta os cobres seus
Chorar, ganir
Como o mais pobre dos pobres
Dos pobres dos plebeus
Ir deixando a pele em cada palco
E não olhar pra trás
E nem jamais
Jamais dizer
Adeus

Joana Viana