26/08/2008

Falta



Eu quero brincar à escondidas contigo e dar-te as minhas roupas e dizer que gosto dos teus sapatos e sentar-me nos degraus enquanto tu tomas banho e massajar o teu pescoço e beijar-te os pés e segurar na tua mão e ir comer uma refeição e não me importar se tu comes a minha comida e encontrar-me contigo no Rudy e falar sobre o dia e passar à máquina as tuas cartas e carregar as tuas caixas e rir da tua paranóia e dar-te cassetes que tu não ouves e ver filmes óptimos, ver filmes horríveis e queixar-me da rádio e tirar-te fotografias a dormir e levantar-me para te ir buscar café e brioches e folhados e ir ao Florent beber café à meia-noite e tu a roubares-me os cigarros e nunca conseguir achar sequer um fósforo e falar-te sobre o programa de televisão que vi na noite anterior e levar-te ao oftalmologista e não rir das tuas piadas e querer-te de manhã mas deixar-te dormir um bocado e beijar-te as costas e tocar na tua pele e dizer quanto gosto do teu cabelo dos teus olhos dos teus lábios do teu pescoço dos teus peitos do teu rabo do teu


e sentar-me nos degraus a fumar até o teu vizinho chegar a casa e se sentar nos degraus a fumar até tu chegares a casa e preocupar-me quando estás atrasada e ficar surpreendido quando chegas cedo e dar-te girassóis e ir à tua festa e dançar até ficar todo negro e pedir desculpa quando estou errado e ficar feliz quando me desculpas e olhar para as tuas fotografias e desejar ter-te conhecido desde sempre e ouvir a tua voz no meu ouvido e sentir a tua pele na minha pele e ficar assustado quando estás zangada e um dos teus olhos vermelho e o outro azul e o teu cabelo para a esquerda e o teu rosto para oriente e dizer-te que és lindíssima e abraçar-te quando estás ansiosa e amparar-te quando estás magoada e querer-te quando te cheiro e ofender-te quando te toco e choramingar quando estou ao pé de ti e choramingar quando não estou e babar-me para o teu peito e cobrir-te à noite e ficar frio quando me tiras o cobertor e quente quando não o fazes e derreter-me quando sorris e desintegrar-me quando te ris e não compreender por que é que pensas que eu te estou a deixar quando eu não te estou a deixar e pensar como é que tu podes achar que eu alguma vez te podia deixar e pensar em quem tu és mas aceitar-te na mesma e contar-te sobre o rapaz da floresta encantada de árvores anjo que voou por cima do oceano porque te amava e escrever-te poemas e pensar porque é que tu não acreditas em mim e ter um sentimento tão profundo que para ele não existem palavras e querer comprar-te um gatinho do qual teria ciúmes porque teria mais atenção que eu e atrasar-te na cama quando tens de ir e chorar como um bebé quando finalmente vais e ver-me livre das baratas e comprar-te prendas que tu não queres e levá-las de volta outra vez e pedir-te em casamento e tu dizeres não outra vez mas eu continuar a pedir-te porque embora tu penses que eu não estou a falar a sério eu estou mesmo a falar a sério desde a primeira vez que te pedi e vaguear pela cidade pensando que ela está vazia sem ti e querer aquilo que queres e achar que me estou a perder mas saber que estou seguro contigo e contar-te o pior que há em mim e tentar dar-te o meu melhor porque não mereces menos e responder às tuas perguntas quando deveria não o fazer e dizer-te a verdade quando na verdade não o quero e tentar ser honesto porque sei que preferes assim e pensar que acabou tudo mas ficar agarrado a apenas mais dez minutos antes de me atirares para fora da tua vida e esquecer-me de quem eu sou e tentar chegar mais perto de ti porque é maravilhoso aprender a conhecer-te e vale bem o esforço e falar mau alemão contigo e pior ainda em hebreu e fazer amor contigo às três da manhã e de alguma maneira de alguma maneira de alguma maneira transmitir algum do esmagador, irresistível, incondicional, abrangente, preenchedor, desafiante, contínuo e infindável amor que tenho por ti.

Sarah Kane

3 comentários:

Hobbes disse...

:)

Mas, menina, vai com calma
Mais sedução nesse grasne:
Carnalmente eu amo a alma
E com alma eu amo a carne.

Faminto, me queria eu cheio
Não morra o cio com pudor
Amo virtude com traseiro
E no traseiro virtude pôr.

Muita menina sentiu perigo
Desde que o deus no cisne entrou
Foi com gosto ela ao castigo:
O canto do cisne ele não perdoou.

"Aula de Amor" de Bertolt Brecht (trad. Aires Graça)

davidsantos disse...

A minha versão da "Falta" de Sarah Kane

E eu quero brincar ao bate-o-pé contigo e deixar que massajes o meu pescoço e as costas e que me segures na mão e sentir-me menina quando me dás a mão e ir comer fora e não me importar se é caro ou barato e preocupar-me depois e falar sobre o dia e sobre o chefe e sobre os hipócritas do meu emprego e deixar que carregues as compras e rir das tuas palhaçadas ao volante e ver filmes bons e maus e assim assim e mudar a estação de rádio por estar a dar futebol e deixar que me tires fotografias na praia em cuecas e a sentir-me nua e querer que rias das minhas piadas sem graça e querer-te à noite mas precisar de dormir um bocado e deixar que me abraces e me beijes e virar-te as costas porque estou cansada mas continuar a querer que me abraces e me beijes e dizer para tirares a fita do cabelo que é tão bonito sem a fita e passar os meus dedos pelos teus caracóis e ouvir-te dizer o quanto gostas do meu cabelo dos meus lábios do meu pescoço de mim e sentar-me com vontade de fumar enquanto tratas dos teus bonsais e preocupar-me que percebas que eu tenho vontade de fumar enquanto tu tratas dos teus bonsais e dar-te beliscões e ir àquela festa e ver-te dançar à minha frente de olhos esbugalhados e ficar envergonhada no meio daquela gente toda porque todo tu és vontade e dizer que não fiques assim que todos vão ver mas a querer que fiques assim porque eu também estou assim e pedir desculpa quando estou errada e custar-me pedir desculpa quando estou errada e adorar quando me desculpas e desejar ter-te conhecido desde sempre e ouvir-te sussurrar no meu ouvido o quanto gostas de mim e a sentir o mesmo mas a não conseguir dizê-lo como tu dizes e a ficar irritada por não conseguir dizer como tu dizes e ficar assustada quando perdes a calma e a tua voz se altera e desejar que nunca te zangues comigo e dizer-te que te adoro com os meus olhos e desejar que percebas o que estou a dizer-te com os meus olhos e que me abraces quando estou stressada e deixar-te doido quando te toco e saber o quanto o teu sorriso é lindo e ter medo que as outras achem que tens um sorriso lindo e querer que seja um segredo só meu e não compreender por que é que pensaste que eu podia não gostar de ti quando eu gosto de ti e pensar como é que tu podias achar que eu podia não gostar de ti estando contigo e pensar que sabes como eu sou mas aceitas-me na mesma e escrever-te poemas de amor e colocar na net para todos verem e hesitar em pô-los na net para todos verem e ter um sentimento tão profundo que é difícil escrever sobre isso e é tão fácil escrever sobre isso e quase ter ciúmes do cão porque eu quero toda a tua atenção só para mim e gostar quando me compravas prendas que eu queria quando eu ainda não sabia se queria estar contigo e deixar que me peças em casamento e eu a imaginar-me a dizer que sim e tu a perguntares se é mesmo sim e eu a pensar como é que tu podes pensar que eu não diria que sim e eu a querer que tu estejas a falar a sério e tu mesmo a falar a sério e querer aquilo que queres e saber que estou segura contigo e saber que sabes o pior que há em mim e tentar dar-te o meu melhor porque mereces tudo e é maravilhoso estar contigo e é maravilhosa esta harmonia e não tenho sequer que fazer um nem dois nem três esforços e falar línguas que não sei contigo e fazer amor contigo às tantas da manhã e tentar tentar tentar tentar transmitir ao menos um bocadinho do coerente, nobre, absoluto, contínuo, incondicional e infindável amor que sinto por ti.

a.lenda.de.despereaux disse...

Uau! Tinha-me escapado este e não sei como.

As coisas que tu escreves ó Sarah Kane, as coisas que tu pensas ó Marta Jorge, as coisas que tu me transmites,as coisas com que me entras no pensamento noite e dia, dia e noite, as coisas como tu és...

linda linda por dentro e por fora.

*